Arquivo da tag: SerImovel Blog

Preciso adquirir um imóvel e agora… por onde começo ?

Por Arq. Flavio Westmann para SerImovel – 18/04/2017

comprar-imovel

Após anos envolvido nos mercados de Arquitetura e Imobiliário, acompanhei, infelizmente, várias situações, onde, o cliente, após uma árdua busca, desorientado e impactado pelo forte marketing imobiliário acabou realizando uma aquisição por impulso, a qual, posteriormente se revelou como inadequada às suas “reais” necessidades.

As questões que impulsionam uma compra são as mais diversas, envolvendo fatores mais racionais, como  saída do aluguel, aumento ou diminuição da família, alteração de renda, local ou forma de trabalho, investimento patrimonial, melhoria na mobilidade e infraestrutura até outras mais subjetivas, e, não menos importantes, como as ligadas a aspectos de afetividade com o local, região, familiares e aspectos psicológicos como conquista, prestígio, poder, e outros fatores inconscientes.

Portanto, ao iniciar um planejamento para uma aquisição imobiliária, muitas são as dúvidas.

Comprar um imóvel na planta, pronto, novo, usado para reforma, em que localização, tamanho, tipo e com quais característicasrquitetônicas, são, algumas, dentre  muitas, das incertezas mais comuns.

Devido minha formação, costumo fazer um paralelo, de que o processo de entendimento destas necessidades é muito similar com o “imput” necessário para se desenvolver um projeto de Arquitetura, e, sem uma consultoria adequada, o cliente pode  perder o foco e o “fio da meada”.

duvidas-compra-imovel

Talvez, um dos fatores  responsáveis, seja a forma atual de contratação imobiliária, onde, o vínculo entre o corretor e o cliente é pouco sólido e estreito, pois é baseado em um  comissionamento pós-venda, o que permite ao cliente ser atendido por inúmeros profissionais ao mesmo tempo em um processo, onde a quantidade prevalece sobre a qualidade.

Com a  facilidade ao acesso “on Line”, que, embora  prático, gera muita informação (nem sempre de qualidade),   o trabalho de “clinico geral”, acaba ficando com o próprio cliente, que tem que levantar, gerar e adequar uma enorme quantidade de informações e atendimentos, e,  muitas vezes, somado a falta de clareza de suas “reais necessidades” o torna presa  fácil  de uma “oferta atraente”.

Diferentemente, na área da Arquitetura,  quando o cliente busca um profissional para um projeto, a relação de “intimidade” já se cria com base em outra forma de relação comercial, onde  uma confiança prévia permite desenvolver um trabalho mais estreito e integrado…

Diante de tantos desafios e longe, aqui, de querer elaborar um manual,  uma vez que, considero o conjunto de necessidades muito  pessoal e específico, mas, ao mesmo tempo, tendo presenciado várias escolhas equivocadas, gostaria de deixar ao menos, um “fio da meada” importante para facilitar uma boa aquisição.

comprar-imovel2

Na busca profissional de tentar, sempre, gerar “ o melhor resultado” para o “ser humano” que irá habitar um espaço, em sua grande maioria, por um longo período, seja este,  residencial, comercial, institucional ou outro , acredito que as “palavras mágicas” são “Qualidade de Vida”  e  “ Segurança”, principais questões históricas do ser humano, na sua busca de abrigo.

Questões estas, vistas sob ângulos emocionais, financeiros, físicos,  afetivos e subjetivos como reconhecimento prévio de um conjunto de necessidades pessoais e internas do usuário ou conjunto de futuros usuários de um ambiente.

A análise individual dos  principais aspectos envolvidos (fig. 1) e, como estes se relacionam no momento da compra, assim como, no tempo futuro sob a ótica de otimizar a  qualidade  de vida esperada ou possível, me parecem ser as questões fundamentais para quem busca um espaço para habitar…

São estes fatores que irão resultar em diferentes graus de escolhas com relação  às características do imóvel: proximidades de transportes e infraestrutura, tamanho, segurança, tipo do imóvel (casa, apartamento, condomínio), tipo de aquisição(usado, na planta, novo, com reforma), integração social, sustentabilidade, integração com o local, solução financeira (quitado, financiado, com divida, prazos de pagamentos), Arquitetura e Design, estrutura de lazer e outras, valendo-se  de pensamentos similares de adequação para espaços de diferentes tipos de usos.

aspectos-compra-imovel

 

Muitas vezes, após uma análise mais profunda, o comprador poderá descobrir que  apenas uma reforma do próprio imóvel poderia ser a solução mais viável, outras, uma aquisição de um imóvel usado, mas em boas condições ou de um novo no “osso”, na planta… ou, até, de um projeto e construção personalizado.São muitas as possibilidades, sem falarmos, também, em uma  possível locação.

Entender ao máximo  suas reais necessidades, motivações e possibilidades,  bem como  elencar  e estreitar o relacionamento com profissionais qualificados para auxiliar nesta tarefa de diagnóstico, checagem, solução e segurança documental,  me parecem, por hora, no nosso modelo atual de mercado, a melhor forma de acertar na sua aquisição, seja ela uma compra de novo, usado, reforma ou projeto.

Flavio Erwin Westmann para “serimovel” 18/04/2017

Minhocão de São Paulo…meio “homem, meio lobisomem”…

Por Arq. Flavio Westmann para SerImovel

Objeto de longas discussões entre urbanistas, arquitetos, moradores …e considerado uma “cicatriz urbana” ….o elevado Costa e Silva, mais conhecido como “Minhocão” foi concebido na década de 1960, durante a gestão do prefeito Faria Lima, desengavetado pelo prefeito Paulo Maluf, sendo  finalizado em 1971.

Passando a cinco metros dos prédios de apartamentos, o elevado tem 3,4 quilômetros de extensão e liga a região central à zona oeste da cidade. A obra recebeu diversas críticas, chegou a ser chamado de “cenário com arquitetura cruel” e “uma aberração arquitetônica”.

Foi responsável pela enorme desvalorização e deterioração dos imóveis próximos. Com inúmeros prédios em estado de abandono chegou a ser  cenário de muitas  novelas e filmes que necessitavam de um fundo dramático.

foto-1-serimovel-blog-minhocaofoto2-serimovel-blog-minhocao

Entretanto, com o passar dos anos, através do incentivo de diversas associações locais junto a prefeitura, o mesmo vem incorporando uma nova “vocação” como área de encontro, espaço de lazer e cultura…….. Com restrição de veículos no horário noturno e total nos domingos (recentemente parcial nos sábados, também) o mesmo tem sido palco de feiras gastronômicas, caminhadas, encontros , passeios de bike e de skate, entre inúmeras outras atividades culturais que ocorrem acima, ao seu redor, ou sob o mesmo utilizando seus pilares como telas de artes, entre outras….

foto-3-serimovel-blog-minhocao

foto-4-serimovel-blog-minhocaofoto-5-serimovel-blog-minhocaoMuito tem se discutido sobre o futuro e o destino final que será dado ao mesmo…..

Com a aprovação do Novo Plano Diretor Estratégico (lei nº 16.050/14), o artigo 375 prevê a criação de uma lei específica para a desativação progressiva do elevado para automóveis nos próximos 16 anos.

Visto que o mesmo tem se tornado um “parque espontâneo”, a Prefeitura de São Paulo, analisa o Projeto de Lei (PL) 10/2014 que prevê a desativação gradativa do Elevado e estuda a criação do  Parque Municipal do Minhocão, com inspiração em projetos como o High Line Park, em Nova York (EUA), e o Promenade Planté, em Paris, (França).

foto-6-serimovel-blog-minhocao

foto-7-serimovel-blog-minhocaofoto-8-serimovel-blog-minhocaoRecentemente, também, em uma iniciativa de arquitetos, administradores, advogados, engenheiros e empresários surgiu o Movimento 90°, uma iniciativa para a instalação de Jardins Verticais em grandes fachadas sem janelas ao longo do minhocão. A região do Minhocão possui mais de 100 empenas cegas que poderiam abrigar 58.000 m2 de área verde. Com esse numero em mente, o Movimento vem trabalhando desde 2013 para implementar o Corredor Verde do Minhocão.

foto-9-serimovel-blog-minhocao

Enfim, resta aguardarmos como tudo isso irá se desenrolar…..a verdade é que o “Parque do Minhocão” já começa a  ocupar seu espaço social , cultural e físico na região, ainda, que sem uma arquitetura própria, em uma luta para devolver ao morador local e a cidade um pouco da dignidade em meio ao caos em uma das regiões onde o homem e sua escala foram realmente atropelados

Por hora, ainda, Meio “Homem” meio “Lobisomem”….mas com certeza, já é parte de uma tendência internacional de humanização das grandes metrópoles

Arq. Flavio Erwin Westmann para “serimovel”

*texto publicado originalmente em abril de 2016